quinta-feira, 20 de julho de 2017

O Céu


    Do que ouvimos falar do Céu, espontaneamente e por comparações buscamos imaginar como ele é. Mas o que a Bíblia nos diz? Jesus fez várias e frequentes menções ao Reino de Deus. Então, o que temos de fato?
    A morada celestial, que o Pai amorosamente nos oferece, foi revelada a São João Evangelista: "Vi, então, um novo céu e uma nova Terra... Eu vi descer do Céu, de junto de Deus, a Cidade Santa, a Nova Jerusalém... Eis aqui o Tabernáculo de Deus com os homens. Habitará com eles e serão o Seu povo, e Deus mesmo estará com eles." Ap 21,1a.2a.3b
    Aí ele vai ter grandiosas visões, como a do próprio Jesus em Sua condição divina: "Num domingo, fui arrebatado em êxtase, e ouvi, por trás de mim, voz forte como de trombeta, que dizia: 'O que vês, escreve-o num livro...' Voltei-me para saber que voz falava comigo. Tendo-me voltado, vi sete candelabros de ouro e, no meio dos candelabros, alguém semelhante ao Filho do Homem, vestindo longa túnica até os pés, cingido o peito por um cinto de ouro. Tinha Ele cabeça e cabelos brancos como lã cor de neve. Seus olhos eram como chamas de fogo. Seus pés pareciam-se ao bronze fino incandescido na fornalha. Sua voz era como o ruído de muitas águas. Segurava na Mão direita sete estrelas. De Sua boca saía uma espada afiada, de dois gumes. O Seu rosto assemelhava-se ao sol, quando brilha com toda a força. Ao vê-Lo, caí como morto aos Seus pés. Ele, porém, pôs sobre mim Sua Mão direita e disse: 'Não temas! Eu sou o Primeiro e o Último, e Aquele que vive. Pois estive morto, e eis-Me de novo vivo pelos séculos dos séculos; tenho as chaves da morte e da região dos mortos.'"Ap 1,10-11a.12-18
    São João viu uma infinitude de anjos que reverenciavam o Salvador: "Na minha visão ouvi também, ao redor do trono, dos Animais e dos Anciãos, a voz de muitos anjos, em número de miríades de miríades e de milhares de milhares, bradando em alta voz: 'Digno é o Cordeiro imolado de receber o poder, a riqueza, a Sabedoria, a força, a Glória, a honra e o louvor.'" Ap 5,11-12
    E também um multidão de Santos: "Depois disso, vi uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua. Conservavam-se em pé diante do trono e diante do Cordeiro, de vestes brancas e palmas na mão, e bradavam em alta voz: 'A Salvação é obra de Nosso Deus, que está assentado no trono, e do Cordeiro.' E todos os Anjos estavam ao redor do trono, dos Anciãos e dos quatro Animais; prostravam-se de face em terra diante do trono e adoravam a Deus, dizendo: 'Amém, louvor, Glória, Sabedoria, ação de graças, honra, poder e força ao Nosso Deus pelos séculos dos séculos! Amém.'" Ap 15,9-12
    Ouviu a intercessão dos Santos mártires, mas foi informado que outros tantos ainda haveriam de ser sacrificados: "Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da Palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: 'Até quando Tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra?' Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos." Ap 6,9-11
    Enfim, viu a preparação para os tempos finais: "Eu vi no Céu outro grande e maravilhoso sinal: havia sete anjos prontos com sete pragas. Estas eram as últimas pragas, pois com elas o furor de Deus ficará consumado. Vi também como que um mar de vidro misturado com fogo. Sobre esse mar, estavam de pé todos aqueles que venceram a Besta, a imagem dela e o número do nome da Besta. Os vencedores seguravam as harpas de Deus e entoavam o cântico de Moisés, o servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: "Grandes e maravilhosas são as Tuas obras, Senhor Deus Todo-poderoso! Teus caminhos são justos e verdadeiros, Rei das nações!" Ap 15,1-3
    Lá, porém, não se verá nenhum tipo de sofrimento, pois o Próprio Deus... "Enxugará toda lágrima de seus olhos e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor, porque passou a primeira condição." Ap 21,4
    A própria condição física da carne após a Ressurreição, ou seja, dos corpos incorruptíveis, será outra: "Já não terão fome, nem sede, nem o sol ou calor algum os abrasará, porque o Cordeiro, que está no meio do trono, será o Seu Pastor e os levará às fontes das águas vivas..." Ap 7,15b-16a
    Por isso São Pedro suspirava: "Nós, porém, segundo Sua promessa, aguardamos novos Céus e uma nova Terra, nos quais habitará a justiça." 2 Pd 3,13
    Segundo o próprio Jesus, no entanto, o Céu não estão fisicamente distantes de nós, em algum confim do Universo como se imagina. Ao contrário: está à nossa volta, e o que dele nos distancia é tão somente o pecado. A um escriba que via no amor a Deus a verdadeira Salvação, Ele disse: "Não estás longe do Reino de Deus." Mc 12,34
    Não por acaso, foram nestes termos Sua primeiras pregações: "Desde então, Jesus começou a pregar: 'Fazei penitência, pois o Reino dos Céus está próximo.'" Mt 4,17
    Ele já havia prometido aos primeiros Apóstolos a realização do sonho de Jacó, uma escada entre o Céu e a terra, logo após Seu Batismo por São João: "E ajuntou: Em verdade, em verdade vos digo: vereis o Céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem." Jo 1,51
    A Vinda do Cristo, portanto, já representou a efetiva abertura a essa outra 'dimensão', ou seja, o estabelecimento na Terra, ainda que invisível, do Reino Celestial. Ele mesmo noticiou: "Mas se expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente é chegado a vós o Reino dos Céus." Lc 11,20
    Ora, Ele avisou que essa 'outra' realidade é sutil: "O Reino de Deus não virá de um modo ostensivo. Nem se dirá: 'Ei-lo aqui; ou: Ei-lo ali.' Pois o Reino de Deus já está no meio de vós." Lc 17,20-21
    Disse também: "Deus é espírito..." Jo 4,24
    E assim acontece com Sua própria presença na Igreja, como Ele prometeu: "Porque onde dois ou três estão reunidos em Meu Nome, aí estou Eu no meio deles." Mt 18,20
    Bem como do Espírito Santo: "É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não O vê nem O conhece, mas vós O conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós." Jo 14,17
    E do Pai. Todos pela Onipresença da Santíssima Trindade: "Respondeu-lhe Jesus: 'Se alguém Me ama, guardará a Minha Palavra e Meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos Nossa morada." Jo 14,23
    Por isso os seguidores de São Paulo agem como participantes desse Reino, na certeza de já estarmos vivendo essa irreversível realidade: "Já que recebemos um Reino inabalável, conservemos bem essa Graça." Hb 12,28
    E exortam a seguirmos ouvindo Jesus com naturalidade, agora como antes, pois dos Céus Ele continua falando à Sua Igreja: "Guardai-vos, pois, de recusar ouvir Aquele que fala. Porque, se não escaparam do castigo aqueles que d'Ele se desviaram, quando lhes falava na terra, muito menos escaparemos nós, se O repelirmos, quando nos fala desde o Céu." Hb 12,25
    De fato, isso se dá tal e qual Ele prometeu: "Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo." Mt 28,20
    Sem dúvida, como Jesus demonstrou ter na Mão direita as 'sete igrejas', São João registrou sete vezes no Livro do Apocalipse esta frase dita por Ele: "Quem tiver ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas..." Ap 2,7
    Pois é o Espírito Santo que arremata a Revelação e conduz a Igreja, como o próprio Jesus afirmou: "Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora. Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a Verdade, porque não falará por Si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão." Jo 16,12-13
    No mesmo sentido, porém, São Paulo avisa da presença e proximidade das forças do Mal, que concorrem conosco 'aqui', nesse mesmo 'espaço': "Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do Mal espalhadas nos ares." Ef 6,12
    Com efeito, ao falar de tudo que foi criado por Deus, ou seja, de Jesus como modelo e medida de todas as coisas, inclusive das 'forças' que se rebelaram contra o Criador, o Santo de Tarso, após citar a matéria inanimada que compõe o Universo, acrescenta apenas os seres visíveis e invisíveis: "N'Ele foram criadas todas as coisas nos Céus e na terra, as criaturas visíveis e as invisíveis." Cl 1,16a
    E não somente a , segundo ele, mas também a razão nos permite vislumbrar essa 'dimensão' além do alcance dos olhos: "Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o Seu sempiterno poder e divindade, tornam-se visíveis à inteligência, por Suas obras..." Rm 1,20a
    Na verdade, os Céus apenas ainda não foram plenamente apresentados aos que se encontram neste mundo. São Paulo partilha o que lhe foi inspirado quanto à Vida Eterna: "Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada." Rm 8,18
    De fato, como Deus já havia prometido, essa será uma renovação total, propriamente a 'Recriação': "Eis que Eu renovo todas as coisas." Ap 21,5
    É quando conheceremos a perfeição em sua totalidade, como disse São Pedro: "... uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada para vós nos Céus..." 1 Pd 1,4
    Essa renovação começou com a vinda ostensiva do Espírito Santo, no Pentecostes, quando da fundação da Igreja, que é um pedaço do Céu entre nós. O salmista previu: "Se enviais, porém, o Vosso Espírito, eles revivem e renovais a face da terra." Sl 103,30
    Notemos, entretanto, que não será tudo absolutamente novo, mas renovado. Essa é a importância da Criação, da vida atual, da qual a Nova Vida será uma continuidade. Com efeito, aqui já temos muitas coisas divinas, em estado de perfeição. Portanto, como disse Jesus, teremos no Céu coisas 'novas e velhas': "Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos Céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas." Mt 13,52
    Mas mesmo em Comunhão com Deus, nosso corpo passará por uma grande transformação para entrar na Nova Pátria, como afirmou São Paulo: "Nós, porém, somos cidadãos dos Céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante ao Seu Corpo glorioso..." Fl 3,20-21
    E ele aponta a mortificação da carne como caminho inalienável para essa transformação: "Se fomos feitos o mesmo ser com Ele por uma morte semelhante à Sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum Ressurreição." Rm 6,5
    São João Evangelista também fala dessa transformação, e de uma relação de iguais entre nós e Deus. É quando, uma vez que foi mantida a imagem, voltaremos a ter Sua semelhança, que perdemos pelo pecado: "Caríssimos, desde agora somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que havemos de ser. Sabemos que, quando isto se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porquanto O veremos como Ele é." 1 Jo 3,2
    São Paulo 'explicou' assim essa transformação: "Quando este corpo corruptível estiver revestido da incorruptibilidade, ou seja, quando este corpo mortal estiver revestido da imortalidade, então se cumprirá a Palavra da Escritura: 'A morte foi tragada pela vitória' (Is 25,8). 'Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão (Os 13,14)?'" 1 Cor 15,54-55
    E assim como São João Evangelista, ele falou da Visão Beatífica, do conhecimento e da intimidade que teremos com Deus: "Hoje vemos como por um espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte; mas então conhecerei totalmente, como eu sou conhecido." 1 Cor 13,12


O CORPO GLORIOSO

    Tal e qual a visão que São João teve de Jesus nos Céus, esse corpo glorioso, que Deus nos oferece, foi apresentado pelo próprio Cristo bem antes de Sua morte, quando Se transfigurou no Monte Tabor. Os relatos são de um corpo radiante: "... transfigurou-Se diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandecentes e de uma brancura tal, que nenhum lavadeiro sobre a terra as pode fazer assim tão brancas." Mc 9,3
    Foi exatamente isso o que aconteceu com o corpo de Nossa Senhora, ao chegar ao Céu. São João Evangelista narrou esse evento: "Apareceu em seguida um grande sinal no Céu: uma Mulher revestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas." Ap 12,1
    Algo parecido já havia ocorrido a Moisés, mas não de corpo inteiro, como à Nossa Mãe. Nele a transfiguração foi apenas de seu rosto: "Moisés desceu do monte Sinai, tendo nas mãos as duas tábuas da Lei. Descendo do monte, Moisés não sabia que a pele de seu rosto se tornara brilhante, durante a sua conversa com o Senhor. E, tendo-o visto Aarão e todos os israelitas, notaram que a pele de seu rosto se tornara brilhante e não ousaram aproximar-se dele." Ex 34,29-30
    Em corpo glorioso, pois, Jesus materializava-Se em qualquer lugar, atravessando paredes: "Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-Se no meio deles e disse: 'A Paz esteja convosco!'" Jo 20,26
    Ele prometeu esta transformação física a todos que praticassem a Sua justiça: "Então, no Reino de Seu Pai, os justos resplandecerão como o sol." Mt 13,43
    E apontou a Si mesmo como fonte de toda resplandecência: "Eu sou a Luz do mundo; aquele que Me segue não andará em trevas, mas terá a Luz da Vida." Jo 8,12
    Aliás, tal e qual o Pai, que será a própria Luz da Jerusalém celestial: "Já não haverá noite, nem se precisará da luz de lâmpada ou do sol, porque o Senhor Deus a iluminará..." Ap 22,5
    Afirmativamente, todas essas promessas nos remetem à Vida Eterna, como disse Jesus: "Eu vim para que as ovelhas tenham Vida e para que a tenham em abundância." Jo 10,10
    Remetem ao esplendor da Vida: "... Glória, honra e Paz a todo aquele que pratica o bem..." Rm 2,10
    Por isso Jesus anunciou a verdadeira Vida: "Eu sou a Ressurreição e a Vida." Jo 11,25
    E assim cumpriu Sua Missão, como disse São paulo a São Timóteo: "... suscitou a Vida e a imortalidade pelo Evangelho... " 2 Tm 1,10
    Jesus comparou o Céu também a uma grande festa: "O Reino dos Céus é comparado a um rei que celebrava as bodas do seu filho." Mt 22,2
    E prometeu-nos um banquete: "Em verdade vos digo: já não beberei do fruto da videira, até aquele dia em que o beberei de novo no Reino de Deus." Mc 14,25
    Aliás, um grandioso banquete como festa de casamento, segundo o anjo que falava a São João Evangelista: "Felizes os convidados para a ceia das núpcias do Cordeiro." Ap 19,9
    Ora, Jesus havia dito abertamente para que veio: "... para que a vossa alegria seja perfeita." Jo 16,24
    E pediu expressamente ao Pai pela Igreja: "... para que eles tenham a plenitude da Minha alegria." Jo 17,13
    Mais propriamente, afirmou que teríamos uma vida de angelical pureza: "Na Ressurreição dos mortos... serão como os anjos nos Céus." Mc 12,25


FRUTOS DO REINO DOS CÉUS

    Para tanto, Nosso Salvador recomendou que acreditássemos e nos esforçássemos por uma vida em pleno compromisso com Deus: "Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça..." Mt 6,33
    De fato, Deus já nos concede experimentar os primeiros frutos desse Reino aqui na Terra, mas, por causa de uma verdadeira idolatria aos prazeres fugazes, ainda temos um difícil caminho. Diz São Paulo: "... nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a redenção do nosso corpo." Rm 8,23
    Essas primícias, contudo, em nada se confundem com os frutos do reino da injustiça: "O Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, Paz e gozo no Espírito Santo." Rm 14,17
    Pois os frutos do Reino de Deus são inigualáveis, como assegura Jesus: "Ao vencedor darei de comer do fruto da árvore da Vida, que se acha no paraíso de Deus." Ap 2,7
    Esses frutos são representados com perfeição pelo Pão do Céu, e por uma nova e especial identidade: "Ao vencedor darei o maná escondido e lhe entregarei uma pedra branca, na qual está escrito um nome novo que ninguém conhece, senão aquele que o receber." Ap 2,17
    São promessas de uma vida de Glória: "Sê fiel até a morte e te darei a Coroa da Vida." Ap 2,10
    Com efeito, Jesus promete um poder que vai vigorar ainda neste mundo logo após nossa morte, como já é dado aos Santos: "Então ao vencedor, ao que praticar Minhas obras até o fim, dar-lhe-ei poder sobre as nações pagãs." Ap 2,26
    Poder esse que se fará representar na singela forma de vestes de pureza e santidade: "O vencedor será assim revestido de vestes brancas. Jamais apagarei o seu nome do livro da Vida, e o proclamarei diante do Meu Pai e dos Seus anjos." Ap 3,5
    Ele promete-nos igualmente uma função e um lugar especial: "Farei do vencedor uma coluna no Templo de Meu Deus, de onde jamais sairá, e escreverei sobre ele o Nome de Meu Deus..." Ap 3,12
    Promete, aliás, o inimaginável: "Ao vencedor concederei assentar-se comigo no Meu trono, assim como Eu venci e sentei com Meu Pai no Seu trono." Ap 3,21
    E completa: "O vencedor herdará tudo isso; e Eu serei Seu Deus, e ele será Meu filho." Ap 21,6-7
    Do livro do Gênesis também temos algumas imagens do Céu. Deus havia-lhes dado poder para dominar sobre tudo na terra: "Dominai sobre os peixes do mar, as aves do céu e todos os animais que se movem pelo chão." Gn 1,28
    Lá não havia dor nem sofrimento, que só vieram ao mundo após o pecado, como foi dito a Eva: "Multiplicarei os sofrimentos de teu parto; darás à luz com dores, teus desejos te impelirão para o teu marido e tu estarás sob o seu domínio." Gn 3,16
    Também não havia trabalhos penosos, como foi dito a Adão: "... maldita seja a terra por tua causa. Tirarás dela com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de tua vida. Comerás o teu pão com o suor do teu rosto..." Gn 3,17-19
    De fato, Adão e Eva foram criados para a eternidade, mas, pela desobediência, sobreveio-lhes a morte. Mas Deus havia avisado: "Podes comer do fruto de todas as árvores do jardim; mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal; porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente." Gn 2,16-17
    São Paulo apontou: "... por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte..." Rm 5,12
    Mas concluiu: "Assim como o pecado reinou para a morte, assim também a Graça reina pela justiça, para a Vida Eterna, por meio de Jesus Cristo, Nosso Senhor." Rm 5,21


UMA VISÃO DO CÉU

    Uma das mais impressionantes imagens do Reino de Deus, porém, está mesmo no livro do profeta Isaías. Descrevendo como será o novo Céu e a nova Terra, ele registrou essa singela promessa:

"Então o lobo vai morar ao lado cordeiro
e o leopardo vai dormir perto do cabrito.
O bezerro e o leãozinho andarão juntos
e um menino pequeno os conduzirá.
A vaca e a ursa serão companheiras,
suas crias vão dormir juntas,
e o leão vai comer palha como o boi.
A criança de colo vai brincar perto do covil da serpente,
a criança pequena vai colocar a mão no antro da víbora.
'Ninguém causará mal nem dano nenhum
em todo o Meu Santo Monte',
porque a terra estará cheia da Sabedoria de Deus,
assim como as águas enchem os mares." Is 11,6-9

    E falando através do profeta Oseias, Deus promete infinita Paz ao Seu povo: "Farei para eles, naquele dia, uma aliança com os animais selvagens, as aves do céu e os répteis da terra; farei desaparecer da terra o arco, a espada e a guerra, e os farei repousar com segurança." Os 2,20

    "Enviai, Senhor, o Vosso Espírito e renovareis a face da terra." Sl 103,30